Como aplicamos o storytelling no audiovisual?

16.11.2021
categoria BLOG

Como aplicamos o storytelling no audiovisual?

Em primeiro lugar, vamos à pergunta: Quem é que não gosta de uma boa história, não é mesmo? O Daniel (ou Catatau), nosso diretor administrativo, editor, finalizador (e cafézinho nas horas vagas) define muito bem o storytelling: "nada mais é que um termo bonito para a boa e velha arte de se contar histórias. É algo que já nascemos sabendo".

Na comunicação, existem técnicas e ferramentas para contarmos uma história. E é isso que chamamos de storytelling.

Vamos conversar mais sobre isso?

Como aplicamos o storytelling em nossos trabalhos

Assim como um bom briefing é fundamental (vocês podem ler aqui sobre isso), ter uma boa história pra contar é a famosa cereja do bolo. Por exemplo: Quem é o protagonista desta história? Quem são os personagens? Através de quem essa história será contada? Quais são as forças antagônicas que este protagonista terá que enfrentar ao longo da sua jornada?

Após o estudo do briefing, definimos as narrativas a serem usadas: Qual a linguagem? Qual o formato da história? A quem ela se destina? Como ela vai despertar o interesse do espectador? Além disso, precisamos construir a estrutura da narrativa: a apresentação, o desenvolvimento, o clímax e o desfecho.

Estruturas da narrativa

Em seguida, vamos falar sobre as estruturas de narrativa que citamos acima.

Apresentação: é o momento em que os personagens, lugar e tempo são apresentados. A introdução.

Desenvolvimento: antecede os acontecimentos. É o desenrolar da história. É onde entendemos o objetivo do protagonista e quais desafios ele irá enfrentar.

Clímax: é a parte mais emocionante, o momento em que prendemos o telespectador.

Desfecho: conclusão, fim, os rumos tomados na história.

Emoções inspiram uma ação

Contar uma história para alguém - com estrutura, ritmo, narrativa, pontos de virada, travessias de obstáculos - gera muito mais atividade (atenção) no cérebro do espectador. As histórias geram emoções e a emoção leva a uma ação. Assim como gostamos de ouvir uma boa história com os amigos numa mesa de bar, nós tendemos a nos apegar rapidamente a uma história que começamos a ouvir pela TV, ou através de um anúncio. Acabamos agindo instintivamente, quando é um assunto de nosso interesse (ou até mesmo outros assuntos, mas se a narrativa parecer interessante, acaba nos prendendo também).

E isso vale tanto para a apresentação de um produto, um reforço de marca, contratação de um serviço, e etc.

Enfim, vamos ao exemplo?

Escola Hub - Educação integrada ao mundo

Nós gostaríamos de compartilhar com vocês esse trabalho feito para a Escola Hub, em que há um storytelling bem dosado, objetivo e que consegue prender imediatamente o espectador.

 

Por fim, o objetivo do storytelling é conectar pessoas.

Trazer o público para o seu mundo, através dos seus valores, seu conceito, sua personalidade, contados através de uma história.

E você, gosta de uma boa história? Conta pra gente!

Até a próxima!

Impulso Filmes.

 

Escrito por:
Impulso Filmes

Quem leu esse artigo, leu também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *