Captação de Som Direto: o técnico Osvaldo Ferreira comenta a função

21.10.2015
categoria BLOG

O som direto é o som captado e registrado em sincronia com as imagens em uma realização audiovisual. Assim sendo, a captação de som direto é a nobre função de muitos profissionais de audiovisual.

Dessa forma, o vínculo da captação simultânea entre som e imagem, ou seja, a captação de som direto, determina os procedimentos de trabalho empregado pelo técnico de som.

Atualmente, o som direto de um filme é gravado em tecnologia digital. Dessa forma, o som captado pelos microfones é enviado para o gravador, em diferentes canais.

Além do mais, cabe ao técnico de som controlar o volume da gravação e zelar pela qualidade do som que deseja captar. Pois, com fones de ouvido bastante potentes, o técnico de som é capaz de escutar absolutamente tudo o que está no raio de captação de seus microfones.

Mas, geralmente, ele não está atento ao conteúdo da fala dos atores ou à qualidade de sua interpretação.

Em suma, o que interessa ao técnico de som, durante as filmagens, é como o timbre de voz dos atores está sendo captado, se há ruídos excessivos que podem interferir na pureza de sua voz e se a proposta de áudio do filme está sendo respeitada.

Surpreendentemente, a maioria dos profissionais de audiovisual no mercado, hoje, estão interessados na pós-produção, logo, a captação de som direto ainda é pouco conhecida.

A fim de ampliar o conhecimento sobre esse mercado, convidamos o técnico de Som Osvaldo Ferreira para comentar o mercado e as nuances da captação de som direto. Continue a leitura!

Os desafios da captação de som direto

A fidelidade na representação dos eventos acústicos é compartilhada por diversas áreas profissionais que lidam com a matéria sonora, como a indústria fonográfica, produção radiofônica, espetáculos musicais e mais. Assim sendo, a qualidade do som direto, por sua vez, é igualmente orientada por esta premissa. Primordialmente, no trabalho realizado pelo som direto os procedimentos empregados estão condicionados à captação simultânea da imagem que, normalmente, determina que os dispositivos de captação estejam fora de quadro, limitando o posicionamento dos microfones. Desta maneira, organiza-se o método de trabalho do som direto.

As características que um áudio gravado pela captação de som direto deve ter

Em resumo, em uma realização audiovisual convencional, espera-se que o áudio gravado pelo captação som direto:
  • Tenha registro de voz claramente inteligível;
  • Ocupe um plano sonoro verossímil à imagem correspondente ou que possa ser manipulado em pós-produção para alcançar esta credibilidade;
  • Entre os planos que constituem uma sequência, tenha continuidade de timbre e adequação com o espaço fílmico representado;
  • Forneça os elementos necessários para a edição de som, com os ambientes próprios das locações, com os planos sonoros de cobertura e com os ruídos de características especiais, difíceis de serem recriados na pós-produção.
Entretanto, vale ressaltar que nem todos os ruídos indesejáveis que penetrarem na gravação precisam ser descartados na pós-produção. Então, a decisão de refazer uma cena por causa do áudio cabe ao técnico de som, tendo por base seu conhecimento da proposta geral do filme e seu domínio das possibilidades de correção do problema pós-filmagem, na edição de som. Contudo, vale destacar que um som direto mal captado nunca pode ser completamente corrigido na edição ou na mixagem. Assim sendo, a responsabilidade de gravar um som de qualidade durante a filmagem é imensa. É a garantia de que a personalidade sonora do filme não será violada.

A captação de som direto pela perspectiva do técnico Osvaldo Ferreira

Osvaldo Ferreira é um dos maiores técnicos de som do país e, inclusive, já ministrou cursos pela Impulso em Juiz de Fora. Ele começou a trabalhar com som direto ainda nos anos 90 e, por isso, acompanhou a transição de diferentes formatos, como o U-MATIC, Betacam, até comprar seu primeiro gravador ADAT. A fim de expandir seus horizontes, na época, ainda com 16 anos, o profissional buscou qualificação através de cursos e esteve em contato com experientes técnicos. Dessa forma, pôde aprender sobre posicionamento de microfones, tipos de captação e os segredos por trás da gravação de um bom áudio para cinema e TV. Hoje, em resumo, o técnico tem em seu currículo centenas de trabalhos para cinema, televisão, publicidade e documentários. Osvaldinho, como é conhecido, assina a captação de áudio de diversos materiais para importantes diretores e canais de TV, como Discovery Channel, HBO Latin America, Rede Minas. 226966_500147276687400_1953406486_n Osvaldo Ferreira em um set de filmagem Em uma breve entrevista à Impulso, Osvaldinho comentou a função de captação de som direto. Olha só:

Impulso: Como você avalia o mercado de captação de som direto no Brasil hoje?

Osvaldo: O mercado hoje figura como uma grande oportunidade para novos profissionais atuarem. Em suma, o mercado de televisão – em especial a televisão fechada – está crescendo muito com a Lei do Audiovisual. Nunca se produziu e comprou tantas séries, documentários e conteúdos audiovisuais como nos últimos anos. No entanto, a mão de obra qualificada, principalmente na parte de captação de som, ainda é muito carente. Temos muitos profissionais se formando, mas a maioria se dedica à pós-produção. São poucos os que querem atuar na captação de som direito. De certo, é um mercado excelente, e acho que vale a pena se qualificar. Se nos grandes centros a disponibilidade desse tipo de mão de obra é limitada, imagino que em pólos menores a situação seja de maior carência.

I: Quais são as principais preocupações de um profissional que trabalha com captação de som?

O: O bom profissional, além de ter know-how, bons equipamentos,  microfones diferentes, cápsulas diferentes, deve saber se relacionar bem com todos os profissionais de um set. Além disso, ele precisa saber se posicionar, saber se o microfone não está fazendo sombra para o fotógrafo, se a lapela não está atrapalhando o figurino e se os microfones posicionados não prejudicam o cenário. Isso é apenas uma pequena parte do nosso trabalho, mas que demonstra o quão importante nossa função é.

I: Conte para nós um trabalho com a captação de som direto que mais te marcou

O: Em 2009, gravamos o curta documental “Rio de Mulheres“, da diretora Joana Oliveira. Ficamos quase um mês em imersão total nas comunidades quilombolas do Vale do Jequitinhonha. Nessas comunidades, os homens saíam para cortar cana e quem cuidava da família, do plantio de alimentos e outros afazeres eram as mulheres. A produção me marcou muito, pois vi de perto uma realidade muita dura, ao mesmo tempo que as gravações eram feitas de forma observativa, sem qualquer interferência da equipe no cotidiano dos personagens. Um filme sem diálogos. A captação de áudio era toda feita à distância, e tive de usar um shotgun longo para captar o áudio, o som ambiente. Foi um grande desafio, além de ter sido muito marcante. Me lembro que ao término das filmagens, doamos todas as nossas roupas, e nossos sapatos para a comunidade. Voltamos só com a roupa do corpo e uma sensação boa de ver como aquelas mulheres enfrentavam com garra as dificuldades de se tocar uma família. [caption id="attachment_550" align="aligncenter" width="567"]rio_de_mulheres1 Cena do documentário "Rio de Mulheres" (Dir.: Joana Oliveira, 2009)[/caption]

Dicas para fazer uma melhor captação de som direto

É muito útil para técnicos, roteiristas e produtores iniciantes conhecer as melhores condições para uma boa captação de som. Apresentamos, portanto, regras básicas que devem ser seguidas, independente da larga experiência técnica ou a excepcional qualidade do equipamento utilizado.

Na pré-produção

Quanto aos ambientes externos de gravação, é necessário ter cuidado com:
  • Ventos fortes;
  • animais próximos ao local da captação;
  • proximidade de rios, riachos e cachoeiras;
  • proximidade de estradas;
  • proximidade de usinas, fábricas, escolas, igrejas, aeroportos, portos etc;
  • locais com muito trânsito de pedestres e/ou veículos;
  • equipamentos de iluminação, geradores ou qualquer outra máquina ou motor que venha ser utilizado.
Já quanto a gravação em ambientes internos, é fundamental evitar:
  • Ambientes com reverberação excessiva (salas grandes, ambientes que não tenham, por exemplo, tapetes, estofados, estantes, cortinas, quadros, etc.);
  • ambientes vizinhos a áreas de uso comum, como banheiros, cozinhas e corredores;
  • ambientes com janelas para a rua ou para áreas fora do controle da produção;
  • eletrodomésticos ligados durante a gravação;
  • objetos cenográficos ruidosos.

Produção

Durante a produção, é preciso ter muita atenção com a qualidade e o funcionamento dos equipamentos. Portanto, tome alguns cuidados:
  • Cabos limpos, sem emendas ou marcas em seu isolamento;
  • conectores limpos, sem traços de oxidação, sem amassaduras ou sinais de desgaste excessivo;
  • microfones limpos, sem traços de oxidação, sem amassaduras ou sinais de desgaste. excessivo;
  • fones limpos, sem traços de oxidação, sem amassaduras, sem sinais de desgaste. excessivo, sem emendas em seu cabo e sua extensão;
  • conectores de áudio da câmera em boas condições mecânicas e sem oxidação.
  • disponibilidade de cabos de extensão extras.

Cuidados e posturas na gravação

Além dos cuidados com o ambiente e os equipamentos, é necessário ter atenção a algumas posturas na hora da gravação:
  • Utilizar o microfone direcional sempre com sua suspensão elástica e paravento;
  • no caso da utilização de microfone de lapela, cuidado com roupas de tecido sintético, movimentação excessiva do ator ou do entrevistado;
  • utilizar a vara para aproximar o microfone do objeto que queremos gravar;
  • evitar movimentos bruscos com o boom;
  • sempre manter o microfone o mais próximo possível da fonte sonora;
  • verificar a firmeza da suspensão elástica. O microfone e o cabo devem ficar suspensos sem tocar no paravento e a suspensão não deve produzir nenhum ruído;
  • antes da gravação, ensaiar os diálogos para ajustar o nível de gravação;
  • depois de ensaiado, evite alterar o nível de gravação durante o take, o que provocaria descontinuidade sonora do fundo, principalmente dentro de uma mesma sequência;
  • não alternar o uso de tipos de microfone para um personagem, principalmente dentro da mesma sequência;
  • grave sempre o som da cena, pois caso haja necessidade de dublagem, este será usado como guia;
  • exija silêncio.
Gostou de saber mais sobre captação de som direto? Aqui na Impulso nós valorizamos o aprendizado e a disseminação de conhecimento sobre audiovisual. Conheça mais sobre os nossos workshops. Se você curtiu o artigo, as dicas e a entrevista com o Osvaldo Ferreira sobre captação de som direto, compartilhe agora mesmo este artigo nas suas redes sociais!
Escrito por:
Impulso Filmes

Quem leu esse artigo, leu também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *